Notícias

Prefeitura avança na vacinação contra Covid-19 e antecipa imunização de profissionais da educação, pessoas em situação de rua e nova faixa etária

Vacinação por faixa-etária será retomada, contemplando pessoas com 58 e 59 anos

De Secretaria Especial de Comunicação

A partir da próxima segunda-feira (14), a Prefeitura de São Paulo irá retomar a vacinação por faixa-etária imunizando as pessoas com 58 e 59 anos. Além disso, as equipes do Consultório de Rua irão buscar as pessoas com 18 anos ou mais em situação de rua que ainda não se vacinaram. O anúncio foi feito nesta quarta-feira (9) pelo prefeito Ricardo Nunes e pelo secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido, durante uma visita ao Núcleo de Convivência para Pessoas em Situação de Rua São Martinho de Lima, no Belenzinho, na Zona Leste da capital. Também está prevista para a próxima sexta-feira (11) a vacinação de profissionais da educação com 18 anos ou mais.

“Nós voltamos agora para a vacinação pelas faixas etárias, após imunizarmos todo o grupo de pessoas com comorbidades, os profissionais da Saúde, da assistência social, gestantes acima de 18 anos e vacinaremos também a população em situação de rua, além de ter esse foco maior nas faixas etárias”, disse o prefeito Ricardo Nunes.

O retorno da vacinação pela faixa-etária ocorre após a imunização de quase todos os grupos prioritários estabelecidos pelo Plano Nacional de Imunização (PNI). Na cidade de São Paulo são estimadas cerca de 140 mil pessoas entre 58 e 59 anos.

Além disso, por meio do Programa Municipal de Imunizações (PMI), a secretaria iniciou nesta quarta-feira (9) a vacinação para cerca de 8.000 profissionais da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (Smads) que atuam na linha de frente em serviços da proteção social junto à população em situação de vulnerabilidade. Serão imunizados 1.777 profissionais entre 18 e 30 anos, 2.509 entre 31 e 40 anos, 2.134 entre 41 e 50 anos e 1.567 com mais de 50 anos.

“Com isso terminamos a vacinação no serviço com todos os funcionários vacinados contra a covid, incluindo os que trabalham nos serviços de acolhimento institucional para crianças e adolescentes que não são parceiros da Prefeitura, mas que também prestam esse serviço”, destacou a secretária municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Berenice Giannella.

 

Pessoas em situação de rua
Em fevereiro deste ano, a Prefeitura de São Paulo iniciou a vacinação das pessoas em situação de rua. Ao todo, já foram aplicadas 21.754 doses da vacina contra a Covid-19 em pessoas em situação de rua cadastradas nos centros de acolhida da Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS). 

“Nós vacinamos todos os moradores de rua com mais de 60 anos e os moradores de rua que estavam nos Centros de Acolhida da Prefeitura. Agora iremos vacinar cerca de 14 mil pessoas que efetivamente ficam e moram nas ruas de forma permanente. As nossas equipes do Consultório de Rua irão até eles, já que eles não são os pacientes que vão até as unidades de saúde. Nós iremos buscá-los nos lugares que eles vivem e moram”, explicou o secretário Edson Aparecido.

A previsão é que mais 14 mil pertencentes ao grupo sejam vacinados. “Só tenho que agradecer muito esse trabalho. Isso é muito importante, porque a população em situação de rua precisa ser defendida, protegida e vacinada, superando este momento tão difícil”, disse o padre Júlio Lancellotti.

 

Consultório de Rua
A SMS conta com estratégias específicas para o atendimento em saúde da população em situação de rua, considerando as características deste público, sua vulnerabilidade social e de saúde. As equipes dos chamados Consultório na Rua e Redenção na Rua trabalham de forma conjunta com profissionais do Serviço Especializado de Abordagem Social (Seas) da SMADS.

As equipes atuam no âmbito da Atenção Básica, promovendo a ampliação do acesso e da assistência em saúde ao público atendido. São constituídas por profissionais de diferentes formações: médico, enfermeiro, auxiliar de enfermagem, assistente social, psicólogo, agente da saúde de rua, agente social e administrativo e, em algumas unidades, cirurgião dentista e auxiliar de saúde bucal. Os profissionais realizam abordagem e acompanhamento em saúde em consultas, desenvolvem vínculo com as pessoas em situação de rua, orientando-as e mantendo a escuta qualificada, além de fazerem curativos, oferecendo medicações e vacinação, entre outros procedimentos.

Para o enfrentamento da Covid-19, durante o período de pandemia, as equipes têm intensificado ações de abordagem com orientação sobre o novo Coronavírus, prevenção, sinais e sintomas da doença. Além disso, tem sido realizada uma busca ativa de sintomáticos em locais de maior concentração de pessoas em situação de rua e monitoramento dos suspeitos/confirmados, para posterior encaminhamento a centros de acolhida. 

 As equipes de atenção à população em situação de rua realizam suas atividades de forma itinerante, nos locais de permanência desta população, em centros de acolhida, na rua, calçada, unidade móvel e também nas instalações de UBS do território onde está atuando, sempre articuladas e desenvolvendo ações em parceria com as demais equipes que atuam na atenção básica do território, com os Centros de Atenção Psicossocial (CAPS), os serviços da Rede de Urgência/Emergência e dos serviços e instituições componentes do Sistema Único de Assistência Social entre outras instituições públicas e da sociedade civil. 



Núcleo de Convivência para Pessoas em Situação de Rua São Martinho de Lima
O prefeito Ricardo Nunes e os secretários municipais da Saúde, Edson Aparecido e da Assistência e Desenvolvimento Social, Berenice Giannella, visitaram na manhã de hoje o Núcleo de Convivência para Pessoas em Situação de Rua São Martinho de Lima. O serviço é administrado pela Secretaria Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), por meio de parceria com a Organização da Sociedade Civil Centro Social Nossa Senhora do Bom Parto (Bompar).

“É um serviço humanitário, que cuida das pessoas e não deixa o morador de rua de lado, sem uma tenção devida em um trabalho fantástico que une Assistência Social e Saúde, que conta muito com as entidades que são conveniadas com a Prefeitura, como este trabalho do padre Júlio Lancellotti”, afirmou Ricardo Nunes.

O equipamento tem capacidade de atender 800 pessoas por dia com acesso a refeições, banheiros, kits de higiene e orientações. No local, as pessoas em situação de rua também realizam atendimento odontológico na Unidade Odontológica Móvel (UOM) instalada no local, da Secretaria Municipal da Saúde.

A rede municipal conta com 11 Núcleos de Convivência, com 4.002 vagas. Para os Núcleos de Convivência da Sé, Prates, Porto Seguro, Luz e Bela Vista foram aditados em caráter emergencial mais 1.760 vagas. Atualmente, a cidade dispõe de 100 Centros de Acolhida para população em situação de rua, que juntos disponibilizam mais de 23 mil vagas.

“Fizemos aqui um trabalho com o Bompar, com o Consultório de Rua, junto com a secretaria de Assistência Social durante toda a pandemia, com centenas de ações feitas com os moradores em situação de rua na cidade, monitorando mais de 24 mil pessoas diariamente”, destacou o secretário Edson Aparecido.

 

 

 

 

Ações do documento

Vídeos

Construindo Histórias - Incluir para proteger

Ver agenda completa