Notícias

Convênio com CDHU destina R$ 100 milhões para construção de 728 novas moradias na região do Grajaú

Parceria permitirá a finalização da 2ª fase do empreendimento Chácara do Conde – Prefeito Bruno Covas

De Secretaria Especial de Comunicação

A Prefeitura de São Paulo firmou nesta sexta-feira (03), um convênio de R$ 100 milhões com o Governo de Estado e a Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano (CDHU) para a conclusão da 2⁰ fase do empreendimento Chácara do Conde - Prefeito Bruno Covas, localizado no Grajaú, Zona Sul da capital. O aporte será utilizado para o término da construção das 728 unidades que já estão em obras e tem previsão de entrega para o 2⁰ semestre de 2022

O empreendimento está localizado na área de mananciais da capital e, segundo o prefeito em exercício Milton Leite, a população não mora nesses locais pois deseja. “A sociedade empurrou eles para lá, a vida empurrou essas pessoas para uma subcondição. Cabe ao estado fazer o que nós estamos fazendo: dar habitação, remover essas populações e canalizar os esgotos”, disse.

“Nós estamos celebrando a qualidade de vida. Cada vez mais o mundo é urbano, o mundo é metropolitano e nós já sabemos disso. O esforço que a prefeitura e o estado fizeram ao longo desses últimos anos não foram suficientes para gente proporcionar uma boa qualidade de vida a quem vive aqui, principalmente no entorno dos mananciais. Esse esforço deve ser permanente e é permanente”, afirmou o governador em exercício, Rodrigo Garcia.

O Conjunto Habitacional Chácara do Conde – Prefeito Bruno Covas, viabilizado pela Secretaria Executiva do Programa Mananciais, da Secretaria Municipal de Habitação - SEHAB, possui um total de 1.290 unidades habitacionais. Destas, 562 moradias já foram entregues à população em outubro deste ano.

“O Governo do Estado e a Prefeitura demonstram que, na prática, através da união é possível construir políticas que possam de fato mudar as vidas das pessoas. O convênio que nós assinamos hoje dá continuidade a um grande projeto de recuperação dos mananciais de São Paulo e de construção de dignidade para as pessoas. A gente preserva o ambiente e garante dignidade para as pessoas que ali moram”, disse o secretário municipal de Habitação, João Farias.

Empreendimento

Com total de 10 quadras, o projeto conta com apartamentos de 02 e 03 dormitórios. O residencial possui 10 zeladorias, 10 brinquedotecas, 7 salas de estudos, 7 bicicletários, 10 centros comunitários e estacionamento. Também possui sistema de acessibilidade com rampas que permite acesso a todas as áreas de uso coletivo.

O projeto de urbanização no entorno do condomínio prevê cinco áreas verdes no loteamento, que somadas representam 120.434m², nas quais haverá o plantio de mais de 7.500 mudas.

Investimentos

O contrato efetuado em outubro de 2012, teve o valor total de R$ 280 milhões, com investimento de R$ 56 milhões por parte da CDHU. Até o momento, para a primeira fase foram investidos cerca de R$ 126 milhões, na construção das 562 unidades, sendo cerca de R$ 93 milhões da Prefeitura de São Paulo e R$ 33 milhões por parte do Governo do Estado.

Para a finalização desta segunda fase, das 728 em fase de construção, foram investidos até o momento cerca de R$ 26 milhões, sendo R$ 23 milhões por parte da Prefeitura de São Paulo e R$ 3 milhões por parte do Governo do Estado.

No valor total para a construção das 1.290 unidades habitacionais estão inclusas também obras de urbanização realizadas para a construção do empreendimento, como canalização, infraestrutura, terraplanagem, drenagem, esgotamento sanitário, abastecimento de água e pavimentação.

“É um prazer muito grande poder fazer parte desse processo, dessa história, da transformação da vida de milhares de pessoas da zona sul de São Paulo. É uma parceria exclusiva entre o Governo do Estado e a Prefeitura de São Paulo, considerando que hoje não temos mais recursos do Governo Federal”, explicou o secretário de estado de Habitação, Flavio Amary.

Programa de Mananciais

O empreendimento está localizado na área de mananciais da capital, que é monitorado pela Secretaria Executiva de Mananciais, por meio de um programa que prevê a despoluição das represas Billings e Guarapiranga.

O Programa também prevê a urbanização de 64 áreas precárias, bem como a viabilização de 7.128 mil novas unidades habitacionais para o reassentamento de famílias que vivem em situação de vulnerabilidade. Para evitar ocupações irregulares na região, está prevista a implantação de parques e espaços públicos ao longo dos córregos que chegam às represas, bem como nas suas bordas.

Homenagem

O empreendimento foi batizado com o nome do ex-prefeito da cidade de São Paulo em outubro deste ano, na entrega da primeira fase das obras (562 unidades). Como costumava dizer: “A pior obra é a obra parada”, o ex-prefeito Bruno Covas retomou em agosto de 2018 as obras que estavam paradas desde 2015. A entrega das unidades habitacionais na comunidade do Grajaú era uma das prioridades de sua gestão, e também foram retomadas as obras de urbanização na região

Ações do documento

Vídeos

Construindo Histórias - Saúde Pós Covid-19