Notícias

Serviços de proteção para mulheres vítimas de violência em São Paulo funcionam normalmente na quarentena

Prefeitura, por meio da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, mantém os 12 serviços de atendimento em funcionamento

De Secretaria Especial de Comunicação

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania informa que a queda no número de atendimentos da Casa da Mulher Brasileira após o início do contágio de coronavírus continua significativa: 71% de redução, comparando o mês de fevereiro (antes da pandemia) com o mês de abril (inteiro em situação de emergência por conta da pandemia).
A CMB realizou 265 atendimentos em abril, em comparação a 895, em fevereiro. Em março, foram 571. Para a secretária municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Claudia Carletto, é hora de reforçar a divulgação de serviços essenciais como este. "Estamos cumprindo nosso papel neste momento de pandemia mantendo os serviços de proteção de direitos abertos à população. Mas só isso não basta, também estamos fortalecendo os canais de divulgação e denúncia. Assim, seguimos perto protegendo quem mais precisa”, afirma Claudia.

A Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) lançou no início do período de emergência, nas redes sociais, a campanha #SeguimosPerto para lembrar às mulheres e também a população LGBTI e crianças e adolescentes, que mesmo neste período de distanciamento social necessário, a Prefeitura continua exercendo uma atuação próxima dos cidadãos, de forma humanizada e de acolhida.

A SMDHC mantém os 12 serviços em funcionamento. Os quatro Centros de Referência e os cinco de Cidadania da Mulher das 10h às 16h, a Casa da Mulher Brasileira com portas abertas durante 24 horas por dia, inclusive aos fins de semana, além das Casas de Abrigo e de Acolhimento Provisório.

O público feminino pode contar, ainda, com uma Rede de Proteção à Mulher pelos telefones 180 (nacional), (11) 3275-8000 (Casa da Mulher Brasileira), (11) 2833-4252 (Coordenação de Políticas para Mulheres) e 156 (Prefeitura).

Ações do documento