Notícias

Rede municipal constrói Indicadores da Qualidade na Educação Infantil Paulistana

De Secretaria Especial de Comunicação

Os educadores da rede municipal de educação infantil contam com uma nova ferramenta para avaliar o trabalho realizado com crianças de 0 a 4 anos.  Construídos em diálogo com toda a comunidade escolar, os Indicadores da Qualidade na Educação Infantil Paulistana reúnem 39 critérios para examinar atividades como a gestão escolar, as experiências e interações que as crianças têm nas unidades, as condições de trabalho dos educadores ou a participação da comunidade. A primeira versão do documento foi apresentada nesta terça-feira (28) para as Diretorias Regionais de Educação da Freguesia do Ó e do Jaçanã/Tremembé.



Para o secretário municipal Gabriel Chalita (Educação), a principal característica do novo instrumento de avaliação é o incentivo ao diálogo entre gestores, educadores, famílias e crianças. “O que é uma educação infantil de qualidade? A melhor forma de discutir qualidade é ouvir quem está na escola, o professor, os pais, os funcionários e discutir coletivamente. A gente aprende o tempo todo e a gente se surpreende nesse processo”, afirmou Chalita. A educação infantil municipal atende a mais de 440 mil crianças, em 451 Centros de Educação Infantil (0 a 3 anos) e em 536 Escolas Municipais de Educação Infantil (4 e 5 anos) na Capital.



Os indicadores foram agrupados em nove dimensões: planejamento e gestão educacional, multiplicidade de experiências e linguagens em contextos lúdicos para as infâncias, interações, promoção de saúde e bem-estar, ambientes educativos, condições de trabalho dos educadores, rede de proteção sociocultural, relações étnico-raciais e de gênero e participação, escuta e autoria de bebês e crianças. “Os indicadores paulistanos têm nove dimensões, enquanto o nacional tem sete. O destaque é a inclusão das questões étnico-raciais e de gênero, porque é na educação infantil que temos que começar a trabalhar estas questões”, explicou Roselei Julio Duarte, diretor da DRE Jaçanã/ Tremembé.



Cada indicador é desmembrado em algumas perguntas, para auxiliar a avaliar as situações que acontecem no dia-a-dia da unidade. A aplicação da avaliação é realizada por grupos de trabalho compostos por educadores, familiares e crianças na forma de plenárias temáticas. As reuniões, além de examinar os indicadores, têm como objetivo estabelecer planos de ação para solucionar problemas que sejam identificados, inclusive apontando demandas para a diretoria regional, para a secretaria e outros órgãos públicos, como os conselhos tutelares.



“O que nos faz fortes é a diversidade da rede. Os indicadores não têm caráter prescritivo, no sentido de ditar regras. Queremos suscitar a reflexão e mobilização em torno da qualidade da educação infantil”, explicou Sonia Larrubia, da Diretoria de Orientação Técnica - Educação Infantil. Segundo a secretaria, entre 4 e 16 de maio todas as unidades das redes diretas e conveniadas deverão realizar, por meio dos indicadores, avaliação institucional participativa. Planos de ação serão elaborados pelas unidades e pelas famílias na primeira semana de junho.


 


Participação


O processo de construção dos indicadores começou em agosto de 2013, quando a secretaria convidou as unidades de educação infantil a participarem de uma experiência de autoavaliação participativa, utilizando o documento “Indicadores da Qualidade na Educação Infantil”, criado e publicado em 2009 pelo Ministério da Educação(MEC).



A partir da experiência de 441 unidades, educadores e pesquisadores dialogaram em debates e seminários regionais realizados pelas 13 Diretorias Regionais de Educação. As contribuições geradas pela discussão foram reunidas para a montagem dos indicadores paulistanos. Em abril, o documento é apresentado em eventos em todas as diretorias de ensino, para cerca de 4 mil educadores. A programação está disponível na página da Secretaria Municipal de Educação.



Após a aplicação dos indicadores por todas as unidades, haverá uma nova rodada de discussões, para incorporação na ferramenta de sugestões levantadas neste processo.



Imagens para download
Crédito: Fábio Arantes / SECOM


Foto 1 | Foto 2 | Foto 3 | Foto 4 | Foto 5


 

Ações do documento

Vídeos

Reconstrução da autonomia - Conheça a história de Débora e Marlon

Ver agenda completa