Notícias

Prefeitura e ACNUR distribuem máscaras para imigrantes na cidade

Ação percorreu três centros de acolhidas da capital e entregou mil máscaras aos imigrantes

De Secretaria Especial de Comunicação

Na manhã desta quinta-feira (28), a Prefeitura de São Paulo, por meio das secretarias de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) e de Assistência e Desenvolvimento Social (SMADS), junto com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os refugiados (ACNUR), distribuiu mil máscaras para imigrantes acolhidos na rede municipal socioassistencial.

A ação contou com a presença da Secretária Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, Ana Claudia Carletto, da Secretária Municipal de Assistência e Desenvolvimento Social, Berenice Giannella, da Chefe do Escritório do ACNUR em São Paulo, Maria Beatriz Nogueira, do Secretário de Relações Internacionais Luiz Alvaro Salles Aguiar de Menezes e da Coordenadora de Assuntos Internacionais Multilaterais, Marina Morais de Andrade. 

A distribuição das máscaras foi realizada em três Centros de Acolhidas de Imigrantes (CAI): o CTA São Mateus, na Zona Leste, o CAI Bela Vista e o CAI Pari, ambos na região central de São Paulo. Cerca de 500 imigrantes receberam duas máscaras cada durante a ação.

Para a entrega, a SMDHC disponibilizou 550 máscaras adquiridas do programa "Costurando pela Vida", vinculado à Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico (SMDET). Outras 450 máscaras foram doadas pelo ACNUR, por meio do projeto de confecção das agências da ONU, Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Universidade de Campinas (UNICAMP). 

Durante a manhã, os secretários visitaram o CTA São Mateus, que recebeu cerca de 300 venezuelanos após acordo de interiorização com Governo Federal e o ACNUR. O centro realiza 364 atendimentos diários, e oferece alojamento e refeições para os imigrantes. No momento, o espaço acolhe também africanos, angolanos, egípcios, haitianos e argentinos. O local está equipado com álcool gel e pias coletivas para reforçar a higienização. Além disso, foram feitas marcas no piso do refeitório para indicar a distância segura aos usuários. 

A ação foi bem recebida pelos imigrantes, que puderam escolher as máscaras pela estampa com a qual mais se identificaram.  As máscaras, produzidas por pessoas refugiadas, imigrantes e mulheres trans, são resultado de um projeto do Ministério Público do Trabalho com a Unicamp e apoio do ACNUR e Fundo das Nações Unidas de População (UNFPA), que incentiva o cuidado coletivo.

Leia também:

Coronavírus: Confira as principais notícias publicadas no site da Prefeitura



Ações do documento