Notícias

Plano Chuvas de verão 2019/2020: obras, ações preventivas e emergenciais para a cidade

Prefeitura promove atividades que incluem investimento de R$ 107,8 milhões na construção de cinco piscinões, limpeza e coleta de materiais diversos e plantões de emergência, entre outras iniciativas

De Secretaria Especial de Comunicação

A  Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Obras e da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb), apresentou neste quinta-feira (14)  o Plano Chuvas de Verão 2019/2020. O objetivo é reduzir as áreas de alagamento na cidade. A iniciativa está sendo desenvolvida com o funcionamento, até o fim do ano, de cinco novos piscinões nas zonas Norte, Sul e Oeste, além de ações preventivas e emergenciais para intensificar a coleta domiciliar, limpeza de túneis e ramais durante o período das chuvas, assim como alertas eletrônicos para a população.

“Além dos cinco novos piscinões, da limpeza de córregos, galerias e demais áreas sujeitas às inundações, estamos refazendo o mapa de risco de São Paulo. Contratamos novos geólogos e metade do mapa de 2010 foi reestruturado, com apontamentos para a Defesa Civil, onde há áreas de deslizamento. Também estamos ampliando a quantidade de alertas para a população: teremos alertas nas estradas; nos relógios da cidade, graças à uma parceria com o Governo do Estado; e o aplicativo São Paulo + segura.  A população poderá  baixá-lo no celular e receber  os avisos sobre as áreas de risco de alagamento.  Assim, a Prefeitura vai realizar um trabalho preventivo para responder à demanda e atenuar esse grande problema da cidade de São Paulo”, afirmou o prefeito Bruno Covas, por meio de uma gravação feita por vídeo.

Obras estruturais também fazem parte do Plano Chuvas de Verão. Os cinco piscinões, que serão entregues até o fim do ano, têm capacidade para armazenar 234 mil m³ de água e equivalem a 93,6 piscinas olímpicas. Juntos, somam um investimento de R$ 107,8 milhões.

Três deles foram concluídos. Um na Avenida Diógenes Ribeiro de Lima, na  Zona Oeste; e Tremembé R1 e Tremembé R3,  na Zona Norte. Mais dois reservatórios começam a operar no Córrego Ipiranga (Zona Sul), onde as enchentes são recorrentes, neste mês e em dezembro,

Em janeiro de 2017, a cidade contava com 24 piscinões.  A atual gestão já inaugurou o Guamiranga  e o Aricanduva R6, na  Zona Leste, e Cordeiro R1, na  Zona Sul. Com os cinco deste ano, sobe para 32 o número de reservatórios para minimizar os problemas causados pelas enchentes. Em 2020 serão mais cinco: Aricanduva R7 e R8 (Zona Leste), piscinão do Córrego Paciência e  Tremembé R5, ambos na Zona Norte.  e o Piscinão Lagoa Aliperti,  na Zona Sul.

A Prefeitura também está trabalhando na elaboração dos projetos executivos de cinco piscinões na bacia do Ribeirão Perus (Zona Norte), no Córrego da Mooca (Zona Leste) e aguarda autorização do Tribunal de Contas do Município (TCM) para dar início às obras do piscinão na bacia dos córregos Paraguai e Éguas (ambos na Zona Sul).

“Temos o compromisso de diminuir os alagamentos  que tanto afligem a população mais carente.  Para isso também estamos realizando obras estruturantes e emergenciais. A mais significativa delas é que estamos realizando na Avenida Zachi Narchi, na Zona Norte. Desta forma, nossa meta é reduzir a mancha de alagamento na cidade”, declarou Vítor Aly, secretário municipal de  Infraestrutura Urbana e Obras.

As obras de canalização dos córregos também têm recebido atenção. Em julho foram retomadas as canalizações dos córregos Zavuvus e Mirassol,  na Zona Sul, que estão em andamento.  Um dos trechos já foi concluído este ano. O Córrego Tremembé, na Zona Norte, também está em obras e duas partes dele foram finalizadas entre 2017 e 2018.  Um trecho do Córrego Paciência  (Zona Norte) foi finalizado em fevereiro e os trabalhos seguem em execução. O Córrego Dois Irmãos, localizado na Zona Leste, terá suas obras iniciadas ainda este mês.

Alagamentos

Pelo Programa de Redução Alagamentos (PRA), que contempla obras pontuais que reduzem as enchentes nos bairros, foram concluídas dez edificações e, até o final do ano, mais uma será entregue: o Córrego Afluente J, na  Zona Leste. Em 2017 foram concluídas obras nas ruas Coatimirim, na mesma região; Joaquim Odorico Teixeira, na  Zona Sul; e Pinheiro Machado, na  Zona Oeste. Em 2018 foram finalizadas as intervenções nas ruas Lourenço Prado, também  na Zona Oeste, Formoselha, na  Zona Leste, e Garapeba, localizada na Zona Sul. Neste ano foram concluídas as atividades  nas ruas Chacurú, Poetisa Colombina , Armando Cardoso Alves  e Avenida Cipriano Rodrigues, na Zona Leste.

Neste ano a Prefeitura trabalhou em importantes obras emergenciais relacionadas ao sistema de drenagem da cidade, como a recomposição das galerias do Condomínio Cingapura da Avenida Zaki Narchi, na  Zona Norte; nas ruas Guarda de Honra (Zona Sul), Luiz Aires (Zona Leste), e na Avenida Engenheiro Heitor Eiras Garcia (Zona Oeste).  Foram realizadas, ainda, a contenção de taludes no Córrego Ipiranga e na Rua Maria Antonieta Ladalardo, na Zona Sul.

Alertas nas rodovias - Para o atual período de chuvas, o Centro de Gerenciamento de Emergências Climáticas (CGE) da Prefeitura trabalhará em parceria com a Agência de Transporte do Estado de São Paulo (ARTESP), para inclusão dos alertas de enchentes nas rodovias que dão acesso à capital, permitindo que os motoristas busquem caminhos alternativos. Os displays dos relógios de rua também serão utilizados para exibir alertas sobre enchentes.

O CGE criou um novo alerta de iminência de transbordamento para rios e córregos, para permitir que a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) haja com mais antecedência. Já na Avenida Luís Inácio de Anhaia Melo serão instalados sensores para medir o nível da água no interior da galeria do córrego da Mooca antecipando, assim, os alertas do CGE para o local.

“Vamos trabalhar com alertas para os estados de atenção, observação, alerta e alerta máximo,  de acordo com as orientações meteorológicas feitas pela CGE e pela Defesa Civil. Assim aumentaremos muito a condição de avisar o cidadão, protegendo vidas e patrimônios. Para manter a segurança da população, também contratamos mais 16 novas viaturas, Agora, a Defesa Civil conta com 48 veículos”,  disse o secretário municipal de Segurança Urbana, José Roberto Rodrigues de Oliveira.

Limpeza -  Para evitar pontos de alagamento nas 210 bacias da cidade (depressões formadas nas vias) foram mapeados 927 pontos com risco de enchentes identificados pela Amlurb, juntamente com a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET)  e o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE).

As ações de contingência, realizadas em parceria com as concessionárias dos serviços de coleta domiciliar (Ecourbis e Loga) e limpeza urbana (Corpus, Ecosampa, Ecoss Ambiental, Limpa SP, Locat SP e Sustentare), serão executadas em locais críticos com base no Mapa Geral de Localização de Pontos de Alagamentos, no histórico de índices pluviométricos (medida da chuva em milímetros) com ênfase nos últimos três anos registrados no Infocidade,  e com base de dados da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano.

“Estamos realizando atividades de zeladoria, limpeza de córregos, galerias, piscinões e bocas de lobo, além de varrição. Nas regiões de alagamento, a coleta de lixo tem sido feita duas vezes por dia nas áreas de alagamento”, explicou Alexandre Modonezi, secretário municipal das Subprefeituras.

No escopo da Secretaria das Subprefeituras, as ações foram divididas em duas etapas: a  preventiva, com serviços de limpeza urbana para evitar possíveis enchentes; e corretivas, com ações para controlar os danos causados por pontos de alagamento.  Na primeira etapa estão relacionadas a coleta adicional dos resíduos sólidos domiciliares, antecipação do recolhimento dos resíduos de varrição, de pontos críticos e viciados, além da intensificação da limpeza de bueiros e bocas de lobo, com a retirada de resíduos como embalagens, garrafas pet,  vegetação, terra, lama e areia, entre outros.

Fazem parte das ações corretivas plantões de emergência, limpeza geral das áreas das enchentes, raspagem de vias e logradouros públicos, assim como coleta de materiais diversos, lavagem das vias e logradouros públicos. A desobstrução de bueiros e bocas de lobo também fazem parte da grade de atividades. Todos estes serviços, que são realizados periodicamente durante o ano, receberão reforço na época de chuvas.

Durante o período sujeito à ocorrência de intempéries na cidade, compreendido entre 1° de novembro de 2019 a 31 de março de 2020, a Amlurb e os consórcios irão monitorar as condições climáticas com o objetivo de antecipar as ações necessárias para evitar a ocorrência de enchentes e alagamentos, sobretudo em regiões localizadas nas principais artérias do sistema viário.

As Centrais de Controle Operacional (CCO) das empresas estarão atuando em caráter de plantão para atender as emergências que podem necessitar de atendimento, para garantir o rápido escoamento do volume das águas de chuva.

 “Com todas estas medidas, associadas às atividades de saúde e assistência social, pretendemos minimizar o problema dos alagamentos em São Paulo, para garantir o bem-estar da população”, finalizou Mauro Ricardo, secretário municipal de Governo.

Ações do documento

Vídeos

SPlica - Retomada consciente na fase amarela