Notícias

Mais quatro distritos de SP vão receber a vacinação fracionada contra febre amarela

Jabaquara, Cidade Ademar, Sacomã e Cursino foram incluídos na campanha após confirmação de epizootia no zoológico da cidade

De Secretaria Especial de Comunicação

Os distritos de Jabaquara, Cidade Ademar, Sacomã e Cursino também foram incluídos pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS) na campanha de vacinação fracionada contra a febre amarela que começa nesta quinta-feira (25), feriado de aniversário de São Paulo.

A ação foi definida nesta terça-feira (23) após a confirmação, pelo governo do Estado de São Paulo, da morte de um bugio por febre amarela no Zoológico, localizado na zona Sul de São Paulo.

Desta forma, como nas demais regiões desta etapa da campanha, a vacinação nestas localidades será feita mediante a distribuição de senha aos moradores por agentes de saúde. É importante destacar que não haverá entrega de senha nas unidades de saúde.

Nesta segunda-feira (22), a SMS já havia anunciado os outros 16 distritos que farão parte da medida cautelar com início para esta quinta-feira. São eles: Cidade Líder, Cidade Tiradentes, Guaianases, Iguatemi, José Bonifácio, Parque do Carmo, São Mateus e São Rafael, na zona Leste, e Capão Redondo, Cidade Dutra, Grajaú, Jardim São Luís, Pedreira, Socorro, Campo Limpo e Vila Andrade, na zona Sul.

A dose fracionada segue recomendação do Ministério da Saúde e será aplicada em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) dos distritos que farão parte desta etapa da campanha, que se estenderá até o dia 24 de fevereiro. O fracionamento da dose segue os padrões da Organização Mundial da Saúde (OMS). Com a medida, uma dose padrão poderá vacinar até cinco pessoas. Estudos laboratoriais atestam a eficácia da vacina por, no mínimo, oito anos.

O cronograma da SMS prevê a inclusão de novos distritos na campanha preventiva nos próximos meses, com a previsão de chegar a todos os distritos da capital até o fim de maio.

Doses para viajantes

A partir da próxima segunda-feira (29), 17 unidades de referência determinadas pela SMS vão disponibilizar a dose fracionada da vacina contra a febre amarela para viajantes com deslocamento em território nacional.

Desse total, três postos municipais também farão a emissão do Certificado Internacional de Vacinação ou Profilaxia (CIVP) para os moradores com viagem internacional agendada para áreas com recomendação de vacina: UBS Jardim Miriam II (Cidade Ademar), UBS Jardim Edite (Itaim Bibi) e Hospital Dia da Rede Hora Certa da Penha. Nesses casos, será administrada a dose completa da vacina.

Os endereços das unidades que atenderão nesta fase da campanha nos bairros prioritários e os postos para viajantes podem ser conferidos clicando aqui.

Histórico

A campanha de vacinação no município de São Paulo começou em setembro do ano passado na zona Norte. Por conta da proximidade com o município de Itapecerica da Serra, na Grande São Paulo, onde houve confirmação de epizootia, a pasta iniciou em dezembro a ação preventiva em distritos da zona Sul e no distrito Raposo Tavares, na zona Oeste. Até o momento, foram confirmadas 105 mortes de macaco por febre amarela na capital.

Entre janeiro e março de 2017, foram registrados 11 casos de febre amarela silvestre na capital (cinco  evoluíram para óbito). Em dezembro passado, foram registrados outros 10 (seis evoluíram para óbito). Em janeiro deste ano, foram confirmados dois casos (um evoluiu para óbito). Todos são importados de outros estados e/ou municípios (10 de Minas Gerais, um de Monte Alegre do Sul, oito de Mairiporã, três de Atibaia e um de caieiras).

Foram notificadas cinco mortes por suposta Doença Viscerotrópica pelo vírus vacinal: uma foi confirmada; uma, descartada e outras três estão em investigação. Todas as notificações são de moradores do município de São Paulo.

A reação à vacina é rara e, de acordo com a literatura médica, pode atingir uma (1) a cada 500 mil pessoas que tomaram a dose. A resposta negativa do organismo é causada por uma deficiência imunológica, que faz com que a pessoa, ao ser vacinada, acabe desenvolvendo a doença sem ter sido contaminada pelo mosquito transmissor.