Notícias

Contratos de varrição: Prefeitura apresenta balanço positivo na limpeza urbana

Além de diminuir pontos viciados de descarte irregular, cidade ganha reforço de 150 mil novas lixeiras e modernização nos equipamentos

De Secretaria Especial de Comunicação

Após os primeiros seis meses de atuação dos novos consórcios de varrição, a Prefeitura de São Paulo, por meio da Autoridade Municipal de Limpeza Urbana (Amlurb), apresentou um balanço positivo nos serviços de zeladoria. Com 180 dias de trabalho, a administração municipal economizou 19 milhões de reais por mês aos cofres públicos, diminuiu 106 pontos de descarte irregular, revitalizou 355 pontos viciados, modernizou o layout e implantou veículos elétricos, além de iniciar a instalação de 150 mil novas papeleiras.

A economia nos contratos permitiu ainda que a autarquia pudesse ampliar serviços específicos, como ampliação do serviço de limpeza em grandes corredores. A proposta é que a cidade tenha mais 858 profissionais dedicados em 527 grandes corredores – principais vias da capital.

Com o início dos novos consórcios de varrição, foi estabelecido uma nova identidade visual para os uniformes e caminhões, que mudaram dos antigos tons de verde para um laranja fluorescente. Após essa mudança, o munícipe pode identificar com mais facilidade o serviço de limpeza urbana da cidade.

Em paralelo as alterações de comunicação, a equipe operacional de 11 mil agentes de limpeza e 1.089 veículos trabalharam com foco na zeladoria urbana. Como resultado, o último estudo da Prefeitura apontou a diminuição de 106 pontos viciados de descarte irregular. Esse número está inteiramente ligado às ações de conscientização ambiental, revitalização de 355 locais e maior adesão dos paulistanos aos Ecopontos – que cresceu em 35% nos últimos anos. Em 2016, havia cerca de 4 mil pontos viciados, hoje a cidade conta com 2.403.

A conscientização sobre o descarte correto dos resíduos impacta também nesse novo cenário. Semanalmente, aos sábados, os consórcios de varrição participam do "Mutirão nos Bairros", que já está na 32ª edição. Com essa mesma frequência também há os Mutirões de Grandes Corredores, intensificação de limpeza nas principais avenidas da cidade.

O reflexo desse trabalho também vem impactando nos quantitativos de resíduos. De junho a outubro deste ano, período em que a pesagem já foi concluída, foram recolhidas 182.8 mil toneladas de resíduos nos ecopontos (2.2% a mais de 2018), 35.3 mil toneladas de resíduos de varrição e papeleiras – 3,8 mil toneladas a mais que ano passado; E 10.2 mil toneladas de detritos das bocas de lobo, que representa o triplo comparado ao mesmo período de 2018.

“Entendemos que os quantitativos podem ter crescido em função da estratégia de dividir a cidade em seis áreas e as melhorias no edital da varrição – que foi repensado para as necessidades do Município. Certamente há mais concentração quando se trabalha em microrregião do que em macro”, comenta Edson.

Além do serviço de varrição, os consórcios também realizam a pintura de guias, limpeza de bueiro, operação dos 102 ecopontos e dos cinco pátios de compostagem, instalação de lixeiras, retirada de entulho, limpeza de monumento, retirada de animais mortos em vias públicas, lavagem de feiras livres, entre outros.

Reforço nos equipamentos de limpeza urbana

Atualmente, a cidade de São Paulo conta com mais de 140 mil papeleiras distribuídas pelas vias do município e deve ganhar até a vigência dos contratos de varrição, que possuem duração de três anos, a instalação de mais 150 mil novas unidades. De junho a outubro deste ano já foram instaladas mais de 38 mil lixeiras.

Além da instalação das papeleiras, o centro da capital ganhou triciclos elétricos para realizar a coleta dos sacos de lixo, que os agentes de limpeza deixam após realizar o serviço de varrição. Os equipamentos possuem capacidade de armazenamento de até 500 quilos e podem rodar até 80 km/dia por meio de energia elétrica, sem gerar poluição ou qualquer descarga poluente ao meio ambiente.   

Ainda pensando em potencializar o serviço de varrição realizado nas vias do município, os carrinhos dos varredores (lutocares) também receberam reforços tecnológicos. Agora cerca de 2.476 equipamentos possuem chips eletrônicos, um sistema de rastreamento que possibilita o acompanhamento do trajeto do varredor, o tempo em que o serviço está sendo executado e se a programação está sendo cumprida. O serviço de varrição mecanizada foi triplicado.

Economia nos contratos de varrição

Em junho deste ano, a Prefeitura de São Paulo concluiu a licitação de varrição, que passou a ser operada por seis novos consórcios: Corpus Saneamento e Obras LTDA, Sustentare Saneamento S. A., Consórcio Locat SP, Consórcio Limpa SP, Consórcio Ecoss Ambiental e o Consórcio SCK – Eco Sampa.

Durante os três anos de contrato com esses consórcios, a economia global será de R$ 684 milhões em relação ao contrato anterior – R$ 19 milhões por mês. Com o início das novas empresas, automaticamente os contratos emergenciais de varrição foram encerrados.

Além da economia de recursos públicos, cerca de 22% ao mês, a Prefeitura fez adequações e ajustes no edital a fim de propor melhorias na execução dos serviços de limpeza urbana. Foram incluídas, por exemplo, a destinação final dos resíduos, triagem e tratamento adequado aos recicláveis. Com essa mudança, as empresas passam a enviar os resíduos às cooperativas e às centrais mecanizadas.

Resumo balanço:

1.     Economia de 19 milhões de reais por mês aos cofres públicos;

2.     Intensificação da limpeza de Grandes Corredores;

3.     Diminuição de 106 pontos de descarte irregular;

4.     Revitalização de 355 pontos viciados;

5.     Modernização no layout dos caminhões e uniformes

6.     Implantação de veículos elétricos;

7.     Instalação de 150 mil novas papeleiras;

8.     Aumento na coleta de resíduos;

9.     Chips eletrônicos nos lutocares;

10.  Aumento de varrição mecanizada;

Sobre a AMLURB

Desde 2002 entrou em vigor a lei número 13.478, na qual houve a criação da AMLURB – Autoridade Municipal de Limpeza Urbana, um órgão regulamentador encarregado pela gestão dos resíduos e limpeza urbana da cidade de São Paulo. A autarquia é vinculada à Secretaria Municipal das Prefeituras Regionais, da Prefeitura de São Paulo e presta serviços com o intuito de proporcionar melhor qualidade de vida aos munícipes de São Paulo. Dentre os serviços públicos prestados, estão a conservação e limpeza dos bens de uso comum do Município, limpeza de áreas públicas em aberto, varrição e lavagem das vias, viadutos, praças, túneis e etc; capinação e roçada do leito de ruas, coleta de Resíduos Domiciliares até 200 litros, coleta de Resíduos da Construção Civil - RCC até 50 kg; coleta de Restos de Móveis e utensílios até 200 litros (Cata Bagulho), coleta de Resíduos de Serviços de Saúde e coleta Seletiva (Recicláveis).

Ações do documento

Vídeos

SPLICA - Acessibilidade em São Paulo