Notícias

Capital registra 50% de índice de isolamento social nesta segunda-feira (18)

Recomendação é para que seja atingida a marca mínima de 55%

De Secretaria Especial de Comunicação

Sistema de Monitoramento Inteligente (SIMI-SP), do Governo de São Paulo, apontou que a cidade de São Paulo registrou 50% de isolamento social na última segunda-feira (18). O número representa uma baixa adesão da capital, podendo impactar ainda mais a economia, já que a quarentena poderá continuar enquanto os índices de transmissão da covid-19 (doença provocada pelo novo coronavírus) não diminuírem na cidade.

Como forma de ampliar o índice de isolamento social, nesta terça-feira (19) a Prefeitura de São Paulo decretou a antecipação dos feriados de Corpus Christi e do Dia da Consciência Negra para quarta (20/05) e quinta-feira (21/05), além de declarar ponto facultativo nas repartições públicas municipais da Administração Direta, Autarquias e Fundações na sexta-feira (22). Este não será um feriado de lazer, mas servirá para que as pessoas fiquem em suas casas, protegendo os seus familiares. De acordo com a recomendação das autoridades de saúde, o índice mínimo deve ser 55%.

“Mantendo essa taxa de isolamento em 55% nós vamos conseguir passar por essa pandemia sem ter que enfrentar casos como em outras cidades, muito mais ricas que São Paulo, enfrentaram, que é deixar de atender a população. Por isso a Prefeitura tem feito um esforço. A gente reconhece o esforço que a população tem feito e pede para que continuem fazendo, para que a gente possa ultrapassar esse período, podendo continuar a salvar vidas”, disse o prefeito Bruno Covas durante coletiva de imprensa realizada na última segunda-feira (18).

O respeito ao isolamento social é fundamental para conter avanço da doença e preservar toda a rede de saúde (seja ela pública, filantrópica ou particular).  Com o baixo índice de isolamento da capital, todo esforço que a Prefeitura e o Governo do Estado têm feito para a ampliação do número de leitos será em vão e a quarentena deverá continuar enquanto a situação não estiver controlada.  Especialistas também afirmam que a preocupação vai além do número de leitos.

“Os dias que se seguem não são feriados, mas são dias de luta, dias de batalha intensa contra o vírus. A população tem um papel fundamental nessa batalha, se ela demonstrar que é possível, se ela demonstrar que os índices de isolamento podem aumentar, ela estará demonstrando que poderemos reverter essa luta”, disse o coordenador do Centro de Contingência do Coronavírus, Dimas Covas.

No último boletim divulgado pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS), foram registrados 39.163 casos confirmados e 2.845 óbitos pela doença na capital. Outros 137.386 casos e 3.090 óbitos estão em investigação. Por isso que as pessoas devem colaborar ficando dentro de casa.

“Hoje nós estamos no início da véspera de um feriado e, neste sentido, eu gostaria de enfatizar que o feriado que teremos pela frente não é um feriado de lazer, mas para ficarmos em casa. Esta é a nossa obrigação como cidadão, colaborar para que o distanciamento social se coloque em uma taxa que seja compatível com o que esperamos para a diminuição da epidemia”, disse o secretário estadual de Saúde, José Henrique Germann.

A implantação da quarentena segue orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS), da Organização Pan-americana de Saúde (Opas), Ministério da Saúde e do Centro de Contingência do coronavírus de São Paulo, formado por epidemiologistas, cientistas, pesquisadores, infectologistas e virologistas. Atualmente, o plano para a retomada gradual do distanciamento social, feito pelo governo estadual, será baseado em critérios como:

  • A estabilidade e o declínio do número de óbitos
  • Variação epidemiológica
  • Capacidade de todo o estado na resposta aos doentes graves e que necessitam de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) 
  • Efetividade do distanciamento social


“Eu só tenho que agradecer a população da cidade de São Paulo. Mesmo quando a gente fala em 48% de isolamento, estamos falando em 6 milhões de paulistanos e paulistanas, que têm entendido a mensagem. Estamos chegando a mais de 50 dias de quarentena aqui na cidade. Então, em nome da Prefeitura, agradeço, em nome da população mais carente, que é aquela mais vitimizada com a pandemia. Claro que a gente entende muitas vezes a situação da população de ter que sair de casa, mas não posso deixar de agradecer quem tem colaborado e tem feito a sua parte”, disse Covas.

 

SIMI-SP 
A central de inteligência analisa os dados de telefonia móvel para indicar tendências de deslocamento e apontar a eficácia das medidas de isolamento social. Com isso, é possível apontar em quais regiões a adesão à quarentena é maior e em quais as campanhas de conscientização precisam ser intensificadas, inclusive com apoio das prefeituras. 

O SIMI-SP é viabilizado por meio de acordo com as operadoras de telefonia Vivo, Claro, Oi e TIM para que o Governo de São Paulo possa consultar informações agregadas sobre deslocamento no Estado. As informações são aglutinadas e anonimizadas sem desrespeitar a privacidade de cada usuário. Os dados de georreferenciamento servem para aprimorar as medidas de isolamento social para enfrentamento ao coronavírus.

 

Leia também:
Coronavírus: Confira as principais notícias publicadas no site da Prefeitura

Ações do documento