Notícias

Capital reduz em 45% o número de novas infecções por HIV em seis anos

Uma das marcas inéditas na contagem histórica desde o início da epidemia na cidade de São Paulo, a redução de novos casos é acompanhada pela expansão do acesso aos serviços e pela difusão de estratégias preventivas entre grupos prioritários

De Secretaria Especial de Comunicação

A Prefeitura de São Paulo divulgou o Boletim Epidemiológico desenvolvido pela Secretaria Municipal da Saúde referente a 2022, que aponta redução do número de novos casos de infecção por HIV na capital pelo sexto ano consecutivo. No ano passado foram 2.066 registros, 45% a menos do que os 3.761 contabilizados há seis anos. Na comparação com 2021, que teve 2.393 novos casos, a queda foi de 13,6%. Em 2017, 2018, 2019 e 2020, houve, respectivamente, 3.713, 3.285, 2.972 e 2.518 novas infecções por HIV (sigla em inglês para vírus da imunodeficiência humana, causador da Aids) na cidade.

A queda é ainda maior entre a população de homens gays e homens que fazem sexo com outros homens (HSH), chegando a 47%. Em 2016, foram 2.211 novos casos de HIV dentro desse grupo, número reduzido para 1.174 em 2022. A redução mais expressiva está na população da faixa etária entre 15 e 29 anos, também impactada pela epidemia de forma acentuada e que hoje vivencia uma queda de 49% nos novos casos. Em 2016, esse número foi de 1.917 quase o dobro do número observado no ano passado, 971.

A mesma tendência positiva é observada em relação às notificações de Aids, sendo este o sétimo ano consecutivo de declínio no município. Em 2022, foram 1.339 novos casos de Aids, contra 2.408 em 2016.

Essas conquistas históricas foram possíveis graças à expansão do acesso aos serviços especializados em ISTs/Aids como a profilaxia pré-exposição ao HIV (PrEP),

uma estratégia de prevenção ao HIV que impede a infecção mesmo havendo exposição ao vírus.

Como indicam os dados divulgados no Boletim, o acesso a essa profilaxia, antes procurada, em maioria, por pessoas brancas, tem se expandido entre a população de pessoas pretas e pardas. Ao todo, a população negra corresponde em 2022 a mais de 40% dos cadastros de PrEP na capital.


Expansão do acesso à PrEP
Embora ainda existam desafios, como se observa nas disparidades étnicas da taxa de detecção, a elaboração de estratégias de acesso à prevenção tem sido voltada para expandir cada vez mais a oferta e facilitar a busca. Uma delas foi a inauguração, em junho deste ano, da Estação Prevenção - Jorge Beloqui, que disponibiliza testagem rápida, PrEP, PEP e insumos dentro da estação República, na linha 3-vermelha do Metrô. Com funcionamento de terça a sábado, das 17h às 23h, a unidade disponibiliza serviços de prevenção no trajeto cotidiano da população.

Na cidade de São Paulo, atualmente, são mais de 34 mil pessoas cadastradas para uso da PrEP, fator que reduz a cadeia de transmissão. Outro projeto inovador é o canal SPrEP, que funciona todos os dias, inclusive feriados e fins de semana, das 18h às 22h. A expansão promovida pela Estação Prevenção - Jorge Beloqui e pelo canal SPrEP, iniciativas premiadas pelo seu êxito, resultou em um aumento de 280% no número de novos cadastros de PrEP.

Outra iniciativa que possibilitou que a cidade de São Paulo represente hoje quase 30% dos cadastros de PrEP nacionais e quase 70% dos cadastros no Estado foi a realização persistente de ações extramuros, entre elas o projeto PrEP na Rua, lançado em 2021, que leva serviços disponíveis nas unidades fixas para diferentes regiões do município. Ao todo, foram realizadas mais de 400 edições neste ano.

 

Indetectável igual a intransmissível
Ao todo, desde 2018, a cidade de São Paulo realizou, entre testes rápidos e convencionais, 137.068 testagens para HIV. Em casos de diagnóstico positivo, o paciente pode iniciar o tratamento imediatamente, espera que podia chegar a 180 dias em 2016. São cerca de 50 mil pessoas vivendo com HIV/Aids em terapia antirretroviral (Tarv) na cidade de São Paulo, 96% delas em estado de supressão viral, ou seja, indetectáveis. Isso significa que não transmitem o vírus por relação sexual, conceito conhecido como “indetectável = intransmissível”, o que tem um impacto direto na cadeia de transmissão do vírus, auxiliando em sua redução. Isso porque quando o tratamento é seguido conforme instruções da equipe de saúde, a quantidade de vírus no corpo é reduzida significativamente, chegando ao ponto de não ser detectada pelos exames.

Para promover ainda mais a linha de cuidados para pessoas com HIV, a Rede Municipal Especializada (RME) em ISTs/Aids conta com agentes especializados na retenção de pacientes, ou seja, na busca acolhedora das pessoas que, por qualquer motivo que seja, não tenham podido dar continuidade ao tratamento. Cada caso é avaliado de forma particular e as equipes se dedicam a ajustar o serviço de modo que ele atenda às necessidades do paciente.

 

Eliminação da transmissão vertical HIV
Em 2019, São Paulo foi a primeira cidade do seu porte no mundo a conseguir eliminar a transmissão vertical do HIV como resultado da melhora da cobertura do atendimento pré-natal de qualidade. A eliminação foi certificada conforme os padrões do Ministério da Saúde (MS) e da Organização Mundial da Saúde (OMS). Em 2021, o município recebeu a recertificação por manter, desde então, o alcance da meta. Essa recertificação, que ocorre a cada dois anos, foi conquistada novamente neste ano.

Para além das relações sexuais sem uso do preservativo, compartilhamento de seringas no uso de drogas e acidentes com materiais biológicos contaminados, o HIV também pode ser transmitido diretamente da pessoa gestante, que vive com o vírus, para o bebê, a chamada transmissão vertical.

Composta por 17 Serviços de Atenção Especializada (SAEs), nove Centros de Testagem e Aconselhamento (CTAs) fixos, um CTA Móvel, uma Estação Prevenção, a RME em ISTs/Aids da cidade de São Paulo oferece testagem gratuita para HIV, sífilis, hepatites, clamídia e gonorreia. Além disso, disponibiliza para a população preservativos internos e externos, sachês de gel lubrificante e kits de autoteste para HIV, que o usuário pode realizar quando e onde preferir.

A oferta das profilaxias pré e pós-exposição ao HIV (PrEP e PEP, respectivamente) também é realizada em toda a rede, bem como por meio do canal SPrEP - PrEP e PEP online no app e-saúdeSP. A PrEP pode ser tomada diariamente ou sob demanda e é indicada para uso antes de possíveis exposições. A PEP, por sua vez, deve ser iniciada em até 72h após a possível exposição, preferencialmente nas duas primeiras horas. Ambas impedem a infecção pelo HIV mesmo havendo exposição ao vírus.


Boletim Epidemiológico
O Boletim Epidemiológico de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs)/Aids da cidade de São Paulo de 2022, divulgado hoje, é fruto da parceria entre a Coordenadoria de ISTs/Aids e a Coordenadoria de Vigilância em Saúde (Covisa) e inclui ainda os dados de sífilis adquirida, em gestantes e congênita e os principais sobre os serviços da RME ISTs/Aids, como pacientes vivendo com HIV/Aids em seguimento e testes realizados em 2022.

Os dados do Boletim Epidemiológico baseiam-se nos casos de Aids, HIV e sífilis (gestante e congênita) notificados no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) e foram coletados até 30 de junho de 2022. Todas as informações são preliminares e estão sujeitas à revisão.

Clique aqui para ter acesso ao documento técnico na íntegra.

 

 

 

SECOM - Prefeitura da Cidade de São Paulo
E-mail:
 imprensa@prefeitura.sp.gov.br
Sala de imprensa: imprensa.prefeitura.sp.gov.br
Facebook I Twitter I Instagram I TikTok I YouTube I Acervo de Vídeos I LinkedIn

Ações do documento

Vídeos

Dia Da Mulher

Ver agenda completa