Notícias

“Samba com as Mãos” leva acessibilidade aos surdos e cegos durante o carnaval

Quinta edição do projeto disponibiliza vídeos com a tradução em Libras dos 14 sambas-enredos das agremiações que pertencem ao Grupo Especial de São Paulo

De Secretaria Especial de Comunicação

A Prefeitura de São Paulo, por meio da Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência (SMPED), realiza neste ano a 5ª edição do projeto “Samba com as Mãos”, que disponibiliza vídeos com a tradução em Língua Brasileira de Sinais (Libras) dos 14 sambas-enredos das agremiações que pertencem ao Grupo Especial de São Paulo.

Os cegos contam com audiodescrição dos desfiles, direto do sambódromo, pelas redes sociais da SMPED. Nos anos anteriores, pessoas com deficiência visual de outros Estados e de outros países, acompanharam os desfiles e comentaram nas redes sociais sobre a iniciativa. O objetivo é incluir pessoas com deficiência auditiva e visual na maior festa cultural do país.

O Carnaval será em fevereiro, mas os preparativos do projeto começam bem antes. Na semana de 20 a 25 de Janeiro, a SMPED reuniu um grupo de intérpretes de Libras e alguns surdos que farão a interpretação. Serão alguns dias de dedicação e empenho em pesquisas que demandam um esforço maior em sua tradução, já que os sambas-enredos, na maioria das vezes, usam palavras de origem africana e ditos populares, e isso exige do tradutor um trabalho em conjunto com o autor da letra para que nada se perca.

Após essa primeira etapa concluída, foi feita a gravação da tradução dos enredos em estúdio, em parceria com a TV Câmara. Os surdos acompanham todo o projeto até sua conclusão.

Na terceira etapa acontece o lançamento dos vídeos em Libras nas quadras de cada escola. Antes da maior festa da cidade de São Paulo acontecer, os links com os vídeos das traduções dos sambas-enredos ficam disponíveis no site e no Canal da Secretaria no YouTube. Nos dias de Carnaval, durante os desfiles os vídeos são disponibilizados em telões no Espaço da Cidade, no Anhembi.

“O Carnaval, essa grande festa que faz parte da cultura brasileira, é um bom momento para aumentar a conscientização e sensibilização das pessoas sobre as questões relativas aos direitos das pessoas com deficiência. A atividade inclusiva é um grande estímulo para a participação deste público nas ações da cidade. Com o grande resultado obtido nas edições anteriores, queremos ampliar o projeto, e divulgá-lo para que mais pessoas participem e se emocionem”, afirma o Secretário Municipal da Pessoa com Deficiência, Cid Torquato.

Para Laila Sankari, que tem deficiência auditiva, o projeto “Samba com as Mãos” mudou seu conceito sobre Carnaval. Ela afirma, que antes ia para o desfile ver carros alegóricos e fantasias, mas não entendia o que estava acontecendo. “Eu já participei das quatro edições anteriores e com a criação do projeto “Samba com as Mãos” pela Secretaria, minha visão mudou, com a tradução para Libras, tenho a oportunidade de acompanhar o contexto do que está sendo dito. Essa inclusão é emocionante!”, afirma.

De acordo com os dados revistos do IBGE em 2017, no Brasil, há 2 milhões de pessoas com deficiência auditiva, e quase 7 milhões de pessoas cegas. Em São Paulo são 350 mil cegos e mais de 120 mil surdos. Além disso, 80% dos surdos no Brasil têm dificuldades de compreender o português.
 

Ações do documento