Serviços para Cidadão

Controle de Animais Perigosos (Sinantrópicos)

As atividades de controle de Animais Sinantrópicos, realizadas pelo CCZ e pelas Supervisões de Vigilância em Saúde (SUVIS), têm o objetivo de minimizar o risco de ocorrência de agravos, acidentes e doenças à população humana e outras espécies animais, através de vigilância e, quando necessário, controle de populações animais nocivas, bem como a busca da preservação ambiental, visando oferecer aos munícipes uma melhor qualidade de vida. O CCZ desenvolve as seguintes atividades de controle de animais nocivos:

- Controle de Mosquitos;

- Controle de Abelhas e Vespas;

- Controle de Morcegos;

- Apoio às Atividades Descentralizadas.     

Estas atividades compreendem um conjunto de ações que recebem o nome de manejo integrado. Destacam-se a adoção de medidas preventivas e a manipulação ambiental para evitar a instalação e proliferação destes animais; educação em saúde; e a utilização racional de desinfestantes. 

As principais espécies de Animais Sinantrópicos (Nocivos) a serem controlados são: Ratos; Baratas; Pulgas; Carrapatos; Moscas; Aranhas; Mosquitos; Escorpiões; Formigas; Pombos; Abelhas; Lacraias; Morcegos; Vespas; e Taturanas. Mais informações na Série Educativa sobre Animais Sinantrópicos.

Todos as solicitações referentes a animais nocivos devem ser feitas através do telefone 156 ou através do Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC) no portal de Prefeitura de São Paulo. As solicitações serão encaminhadas para as áreas de atendimento das SUVIS e do CCZ, conforme o caso.

Controle de Mosquitos

O programa desenvolve semanalmente ações de monitoramento larvário e captura de mosquitos adultos por meio de armadilhas instaladas em empresas no entorno do Rio Pinheiros, conjuntamente com Setor de Epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da USP. 

Também são desenvolvidas ações de controle do mosquito (fase larvária e adulta) em parceria com a EMAE, uma sede operacional na Usina Elevatória da Traição, onde se realiza, também, o monitoramento e controle diário do mosquito Culex spp. Mantém também parceria com a iniciativa privada, por meio da OSCIP SOS Saúde e Meio Ambiente, para o controle de mosquitos no Rio Pinheiros.

As ações de controle da fase larvária dos mosquitos no Rio Pinheiros são realizadas com a aplicação mensal de larvicida biológico (específico para esta fase de vida do mosquito), por meio de aerobarcos. Para isso, mantém, em parceria com a EMAE, uma sede operacional na Usina Elevatória da Traição, onde se realiza, também, o monitoramento e controle diário do mosquito.

Para o controle de mosquitos (pernilongo) adultos, realiza a aplicação de inseticida para controle da fase adulta do mosquito em toda a vegetação marginal do Rio Pinheiros com equipamentos nebulizadores de Ultra Baixo Volume (UBV) a frio, diariamente, pela manhã e final de tarde, visando à diminuição do inseto adulto e amenizando, dessa forma, o incômodo para a população do entorno do Rio Pinheiros.

Realiza também o atendimento de solicitações encaminhadas por munícipes para controle do mosquito adulto em logradouros públicos (avenidas, ruas, praças, etc) do município de São Paulo, com aplicação de inseticidas com equipamentos nebulizadores (Ultra Baixo Volume a quente).

As solicitações devem ser feitas através pelo telefone 156 ou pelo Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC), no portal de Prefeitura de São Paulo. Estas solicitações serão encaminhadas as Supervisões de Vigilância em Saúde locais e após avaliação técnica serão encaminhadas a Gerência do Centro de Controle de Zoonoses para realização do controle de mosquitos adultos.

Controle de Abelhas e Vespas 

A atividade é realizada via atendimento de solicitações de munícipes com problemas de abelhas e vespas. Esse problema tem importância em Saúde Pública por serem animais que podem atacar quando incomodados e provocar agravos em função de serem peçonhentos. Realiza orientação e, quando necessário, eliminação de colméias e vespeiros. Esta atividade é desenvolvida pelas SUVIS, com o apoio do CCZ, de segunda à sexta feira através de rotina, priorizando as urgências.

O período de maior ocorrência de problemas com enxames viajantes, colméias e vespeiros já instalados se dá, via de regra, na primavera e verão, em dias quentes e durante o período luminoso do dia.

As solicitações devem ser feitas através do telefone 156 ou através do Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC), no portal de Prefeitura de São Paulo. 

Controle de Morcegos 

O município de São Paulo abriga diversas espécies de morcegos que podem eventualmente causar transtornos à população devido ao seu habito de abrigar-se em forros, vãos de dilatação de prédios, poços de elevadores e outros locais abrigados e protegidos. Podem transmitir a raiva, além de doenças pulmonares por meio de suas fezes acumuladas. Na maioria dos casos são inofensivos e inclusive benéficos, considerados úteis ao homem e à natureza devendo ser preservados. Além disso, fazem parte da fauna brasileira e, portanto, protegidos pela Lei Federal nº 9605 de fevereiro de 1998.

O controle de morcegos no Município de São Paulo baseia-se, principalmente em: promover medidas de manejo ambiental de forma a reduzir a presença de morcegos em área urbana; conhecer as principais espécies de morcegos em área urbana; levar a população conhecimento sobre biologia, comportamento, importância ecológica e agravos provocados pelos morcegos; colaborar na pesquisar de doenças e agravos transmitidos pelos morcegos; monitorar a circulação do vírus da raiva na população de morcegos e colaborar com órgãos estaduais no monitoramento das populações de morcegos hematófagos e seus agravos, no município.  

As solicitações referentes a presença de morcegos devem ser feitas pelo 156 ou pelo Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC), no portal de Prefeitura de São Paulo.

Apoio às Atividades Descentralizadas 

Todas as atividades de controle de zoonoses, realizadas pelas SUVIS em nível local, são denominadas atividades descentralizadas, às quais o CCZ fornece apoio técnico e normativo. Essas atividades são desenvolvidas por meio de orientações de manejo ambiental e tratamento químico quando necessário, em áreas e instituições públicas. Nas áreas consideradas de risco como córregos, favelas e locais de enchentes, entre outros, estas atividades são realizadas periodicamente, conforme programação local. As solicitações devem ser realizadas pelo telefone 156 ou pelo Serviço de Atendimento ao Cidadão (SAC), no portal de Prefeitura de São Paulo.

Possui também equipe para supervisão dos serviços descentralizados de controle do mosquito transmissor da Dengue, realizado pelas SUVIS.

Normatiza e coordena o descarte de embalagens vazias de inseticidas e raticidas domissanitários, usados nos serviços públicos de controle de animais sinantrópicos do Município de São Paulo. Além disso, a equipe de apoio do CCZ realiza a manutenção de equipamentos de controle químico de animais sinantrópicos utilizados pelas SUVIS, bem como, fornece treinamento técnico sobre a utilização e manutenção preventiva destes maquinários para as equipes dessas supervisões de saúde.